Esta questão deve ser vista por dois prismas distintos. O locatário que possui procuração do titular da unidade para assembleias, pode participar e votar no limite dos poderes outorgados, estando quite a unidade. O caso do locatário sem procuração possui opiniões jurídicas divergentes e, mesmo as que entendem pela possibilidade, colocam as seguintes limitações: O condômino titular não compareceu à assembleia; não pode votar sobre despesas extraordinárias ou questões que afetem o direito de propriedade.